segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Bloggy Krueger

É isso aí, povo do vinho! Meus blogs sobre vinho morrem e ressuscitam à maneira de Freddy Krueger. Este deve ser o sétimo ou oitavo enoblog que abro, e sempre prometo em meu post inaugural que eles serão eternos e sempiternos. Mas desta vez... prometo de novo!

Tirei dois anos sabáticos para pensar no que leva uma pessoa que não tenha nenhum interesse financeiro no mercado de vinhos a publicar suas opiniões a respeito deste ou daquele vinho. Cheguei a algumas conclusões, mas a mais convincente delas se resume a uma palavra: VAIDADE! Sim, meus caros, a mais pura e intocada vaidade, uma das forças motrizes do comportamento humano.

Ora, todos sabemos que, na nossa sociedade, "entender de vinho" confere uma aura de refinamento e distinção ao vivente. Basta você dizer que tem um blog sobre vinhos para que os olhos do interlocutor se arregalem, as sobrancelhas se levantem, e ele exclame "oh, mas que chique!" (ou variações sobre a mesma exclamação). E quem não gosta de ser visto como "chique". Vaidade, meus caros. Os antigos já sacaram isso desde imemoriais tempos bíblicos. Tá la em Eclesiastes 1:2: Vanitas vanitatum et omnia vanitas (cf. a Vulgata de São Jerônimo).

Existem enoblogs sérios, enoblogs picaretas, enoblogs descompromissados, enoblogs independentes, enoblogs que mandam as verdades na cara de quem quiser (e não quiser). Tem para todos os gostos.

Este enoblog, meus caros, em sua enésima versão, é um dos que mandam e sempre a verdade "na lata", in your face. E para quem ainda não me conhece, eu REALMENTE entendo de vinho e de gastronomia. Entendo muito! Entendo pra caramba! E não digo que o vinho XYZ tem "aroma de ouriço do rio Pinheiros" nem de "Edelweiss". Descrevo os vinhos, suas circunstâncias e seus circunstantes com base na minha memória olfato-afetiva própria, e não com base em caixinhas ou rodas de aromas.

Outra coisa que aviso desde já: parei com essa história de atribuir notas e pontuações numéricas aos vinhos. Eles não merecem esse tratamento cruel e desumano. Neste blog, vocês lerão minhas impressões e os motivos pelos quais adorei ou odiei esse ou aquele vinho. Serio mesmo, gente, vocês conseguem dizer objetivamente a diferença entre um vinho de 87 (ou 87,5) e 88 pontos? Quem diz que consegue é um baita dum mentiroso. Liar, liar, pants on fire! Desculpem o chulismo, mas degustar um vinho com uma ficha de pontuação é a mesma coisa que ir a um puteiro uma "casa de festejo" e fazer o test drive na "prima" com caneta e planilha na mão. Pra tudo tem hora. É claro, se avaliações objetivas de vinhos forem o seu ganha-pão, desconsidere tudo o que eu disse.

Bem, com visão, missão e valores expostos, vamos começar, beber, escrever e exercer de maneira saudável a vaidade inerente a mim, a vocês, a nós todos, escravos da condição humana que somos. Dá mais certo.

Prosit!

Um comentário:

  1. Hahahaha, meu caro, você tem um humor fantástico e é uma figura obrigatória em qualquer planeta habitável da Via Láctea que possua seres que além de viver, ainda ficam pensando nos por quês da vida!!!! Nem sei se vou ler os posts, porque sou péssimo como "leitor de blogs", até os que participo, mas você é uma cara divertido, inteligente e admirável, assim como eu, que lá tenho minhas vaidades também!! rsrsrs. Abraço!! André Logaldi

    ResponderExcluir